Não encham os estoques com máquinas do tempo

Voltar atrás. Um tema polêmico que envolve desde voltar para o ex-namorado ou lembrar de um dia da infância. O que me lembra de um dia que inventei a minha “nova filosofia de vida”, a filosofia dizia que eu não posso voltar por onde andei se tiver outra forma de ir para onde quero, porque aí não perderia um segundo da minha vida com algo repetido, apenas novas sensações. Tudo começou com uma brincadeira, só para acabar com o clima meio tenso que estava entre eu e uma amiga. E hoje virou um texto que eu falo para não voltar atrás, sendo que eu estou voltando atrás pelo pensamento.  

Quinta foi um exemplo para não voltar atrás, eu inventei de fazer trufas para vender na lanchonete de um centro espírita que eu frequento e doar o dinheiro para o centro, deu tudo errado. Mas eu não queria decepcionar algo que eu nem prometi, usei o chocolate da trufa como cobertura em um bolo de cenoura que fiz logo após o “grande erro”. Deve ser por isso que as máquinas do tempo não existem… Tentariamos sempre corrigir esses errinhos, sem sabermos que eles podem nos trazer grandes conquistas. Sabia que o Sr. Louboutin possui o solado vermelho nos sapatos de sua marca por um imprevisto? Ele é famoso no mundo por esse “erro”. E a sensação de se perder (às vezes) faz bem. Pode trazer textos ou o amor da sua vida quando pede informação para um estranho na rua.

Quando achar que algo está ruim, não lamente. Reinvente! Pega aquela roupa velha e customiza, existem vários tutoriais na internet. Doa aquele livro que está tanto tempo intocado no criado mudo. Vende aquele quadro bizarro que você ganhou de um pintor desconhecido, vai que ele vira um Van Gogh? Organize os seus pensamentos e escreva um texto. Eu fiz isso, você consegue!

Ah, lembra do bolo que eu ia vender? Não fui no centro e nem vendi, levei uns pedaços para meus amigos e ganhei sorrisos em troca. E pensar que esses sorrisos iam ser levados pelo lixeiro… Obrigada, senhor cientista, pode atrasar a criação da máquina do tempo!